Dor e amor…

OK Sunflower_by_scintillatingly_meDepois de submeter-me a uma histerectomia radical, viver um pós-operatório em que qualquer movimento parecia rasgar algo lá dentro e um leve arroto parecia deslocar as costelas do estômago, fico a pensar na vida e nos caminhos do amor e da dor.

Escolhemos amputar partes da vida para não perdê-la totalmente.

Também, mantemos algo que nos fere (uma saudade, um ressentimento uma culpa ou um espinho na carne), para que a vida não perca o sentido ou para nos lembrar da fragilidade humana.

Elegemos pessoas e vocações, e não as descartamos quando nos provocam decepções: Não abandonamos um filho diagnosticado de uma síndrome, nem o marido que se revela imperfeito, nem a esposa acidentada e nem a vocação por uma paixão.

Em movimento semelhante, abrimos mão do que nos parece tão vital!

O amor ultrapassa as barreiras da utilidade, da lógica e do prazer.

Somos parte das escolhas que fazemos e se abrimos mão delas, perdemos parte de nós junto.

Com as escolhas, elegemos os movimentos que nos permitem continuar naquilo que encaramos como missão de vida… às vezes, nos sentindo rasgados e ficando até imóveis por um tempo… também há perdas.

Não há como ter tudo. Sempre se perde algo, inclusive importante, para preservar o essencial.

Missão de dor e amor… humana e divina.

A recompensa vem daquele que nos criou para sermos dele e escolhemos aceitar…

Mey Pestana é cirurgiã-dentista (FOUSP/1983), Especialista em Aconselhamento e Psicologia Pastoral (EST/2011), Bacharel em Teologia (SBN-FACETEN/2013), Terapeuta Comunitária Integrativa (ABRATECOM/2013), Mestre em Ciências das Religiões (PPGCR-UFPB/2017). Brasileira, caçula de quatro filhos de família imigrante da Indonésia (1960). Casada há 33 anos com Álvaro Cesar Pestana, mãe de Lucas (32) e Gabriela (26). Palestrante e facilitadora de rodas de TCI em Seminários e encontros femininos em todo o país. Aprecia a fé, a arte, boas leituras e amizades.

Seções: Atitude!, Mulheres, Opinião, Saúde. Tags: , , , .

Que bom ler esta sua contribuiçao na revista!

  • Você tem muito a partilhar, Linda. Sua sensibilidade e profundidade fazem muito bem a quem te lê!

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *