Defender a ordem democrática

É impossível permanecer indiferente diante da brutal repressão policial aos manifestantes em São Paulo, bem como em outras cidades do país.

É totalmente incompatível com a ordem democrática, tratar as questões sociais como estes governos estaduais e o próprio governo nacional, vem tratando os reclamos da cidadania, como se fossem questões de polícia, questões a serem tratadas a pauladas, com prisão e gases.

Estes governos não conversam, não negociam com os trabalhadores nem com os cidadãos. Impõem decisões de cima para baixo. Esta conduta vem se repetindo.

O governo federal não negociou com os professores federais em greve. Obviamente, este modo de agir vem dos interesses a que o governo serve: os interesses dos grandes empresários, dos grandes proprietários e dos capitalistas em geral.

Os índios, os docentes, os moradores de rua, os estudantes, os trabalhadores em geral, devem obedecer, na visão deste governo.

Remoção de favelas, expulsão dos índios das terras que lhes pertencem, empurrar goela abaixo preços abusivos ao transporte coletivo, acobertar desvios de verbas bilionárias da construção dos estádios de futebol.

É a mesma conduta: abuso e impunidade. A cidadania deve permanecer alerta e organizada. O Brasil vem saindo a duras penas do tempo do arbítrio que estes governos ditos democráticos teimam em ressuscitar. Não podemos permitir retrocessos aos tempos da ditadura.