Curumins

Por Leandro Fortes

Uma característica intrínseca da direita, em todo o mundo, é o distanciamento racional em relação ao outro, o que pode ser interpretado como falta de empatia, mas é algo ainda mais cruel.

Uma vez, eu disse a alguém muito próximo que para entender a pobreza, a dor da miséria, é preciso fazer, minimamente, um exercício de aproximação do outro. Veja bem: aproximar-se é menos que se colocar no lugar, mas já nos dá uma dimensão emocional bastante razoável da dor alheia. Falei: “Ande, ao menos, na periferia, uma vez na vida, para entender as diferenças”.

Ele me respondeu: “Eu estudei para, justamente, não ter que frequentar a periferia”.

Nem a periferia, nem a cozinha, nem o pátio da fábrica, muito menos uma tribo indígena onde crianças morrem por falta de médicos.

E não porque eles não existam, mas porque os que existiam de lá foram tirados, e os que ainda existem, para lá não querem ir.

O fato é que, sem que as pessoas boas percebessem, a maldade entrou nas escolas disfarçada de excelência em competição e fez delas antros de formação de líderes nas aulas de cada-um-por-si.

As crianças mortas no Xingu não são “indiozinhos”, como informam esses tarefeiros de redação em tom complacente.

São brasileiros assassinados pela estupidez de um governo fascista apoiado, justamente, por essas pessoas motivadas por coaches e idiotas do mesmo calibre que acreditam ter estudado para não ter que se importar com ninguém, além de si mesmo.

Fonte: Brasil 247

(02-06-2019)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *