Convergindo

escreverQuantas vezes terei dito a mesma coisa: que escrevo para me ter de volta. Escrevo para deter o tempo, para guardar algo de muito precioso, para que a vida não vá embora. Tenho dito estas coisas muitas vezes, e continuarei repetindo. Não tem nada de errado com as repetições.

Às vezes repetimos algo para que se fixe no nosso entendimento. É tão fácil que uma pessoa se perca, que comece a deixar de ser quem ela é, em função de pressões do ambiente ou dela mesma, para que seja diferente, para que se pareça com mais alguém.

Escrevo para re-encontrar o meu lugar. Meu lugar vem sendo construído desde que me conheço por gente. São frases, fiapos de ouro que venho catando desde pequeno. Agora estou juntando textos pensando em publicar um livro. Quando estou nesta tarefa, todo meu ser se orienta nessa direção. Vou juntando os escritos, e nesta atividade, há um re-encontro profundo comigo mesmo.

Cada texto é uma reverberação, uma ressonância, um instante que mereceu ser perpetuado. Cada texto é como a peça de um mosaico infinito, um grão de areia de uma situação que vivi e que consegui guardar em algumas palavras. Desta forma, a vida vai se concentrado, tudo vai convergindo até o presente.

Vou sentindo à minha volta e dentro de mim mesmo, uma cor amarelo antigo, como o das páginas de muitos dos livros que leio e li. Saio para a rua e é um mundo lido e escrito, um mundo construído pelos comentários de pessoas que leram meus escritos.

O quanto consegui ir manufaturando esta realidade que vivo, a partir dos livros que li, do que as autoras e autores disseram de si mesmos e de mim mesmo nos seus livros.

Quando estou preparando um livro para publicação, é como que estar amarrado a uma pirâmide imensa, que vou alicerçando de baixo para cima. São as vivências, as experiências, o aprendido. Tudo vai se consolidando de baixo para cima, e de todas as direções até este presente.

Feliz noticia!
Com o material que você dispõe o livro está a caminho. Os seus leitores aguardam com muita alegria, inclusive eu.
Ab. Clea

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *