Controle ou ameaça?

Por Gustavo Barreto

O jornal O Globo de hoje (18/5) vem com mais uma contra o Governo Chávez, o acusando de querer impedir ONGs de trabalharem. Real motivo está nas últimas quatro linhas, quando admite que Chávez está questionando o oligopólio da mídia. Matéria confusa, mistura as coisas. As “fontes jornalísticas”, na verdade, são os jornalões com quem tem parceria por lá, o oligopólio-espelho venezuelano.

Perseu Abramo ensina a técnica das últimas 4 linhas, onde se diz o mais importante quase sempre, que deveria ser destaque. E mesmo assim o pobre “leitor” do jornal não fica sabendo o que está implicado na tentativa de regulamentação dos recursos das ONGs – comum em todo o mundo, ora bolas -, porque nenhuma fonte do “outro lado” é ouvida para detalhar o que pretendem. Cadê o outro lado, senhores do aquário!?!

O mais patético deste tipo de “jornalismo” internacional é a birra declarada: a utilização da palavra “agora” na primeira página chega a ser infantil. O título original (aqui) é “Chávez quer controlar ONGs na Venezuela”, mas nas mãos do editor da primeira página vira “Chávez agora ameaça ONGs estrangeiras”. “Controle” vira “ameaça” quando se trata de um governante que não é amigo.

É bem simples, basta ler (se tiver estômago) os jornais e telejornais. Tente adivinhar, marcando um xis:

Verbas do MST:
( ) Controle
( ) Ameaça

Informação na Internet:
( ) Controle
( ) Ameaça

Regulamentação dos meios de comunicação de massa:
( ) Controle
( ) Ameaça

Acertou! Se é contra o MST, é controle! Informação na Internet, tem que controlar! Já quando é pra mexer no latifúndio da mídia, vira ameaça…

E o pior é que tem gente que paga por isso.