Contra o catastrofismo

Por Emir Sader

Tempos como este se prestam para todo tipo de catastrofismo. O capitalismo, na sua era neoliberal, em que a economia é dominada pelo capital especulativo, só produz recessão e desemprego. No Brasil, o acelerado processo de desmonte do Estado, dos direitos dos trabalhadores e dos programas sociais, acompanhado da judicializacão da politica, permite os piores presságios.

O pais está sendo destruído, o governo golpista consegue sobreviver, tenta aprovar leis que blindam sua continuidade para alem das eleições, o “lawfare” contra o Lula se acelera. Vozes se multiplicam dizendo que nao haverá eleições, que nao vao permitir que o Lula volte, que tudo vai pro pior dos mundos. “Nada es igual, todo es peor”, como diz o tango Cambalache.

Quase tudo o que se diz é real, embora as tintas às vezes sejam melancólicas e pessimistas demais. Mas o que fazer diante de um quadro tao difícil como esse? Se levarmos em conta essas vozes apocalípticas, nao haveria nada a fazer. Resignar-nos a ser oposição impotente por tempo indefinido. Retirar-nos para nossos quarteis de inverno e esperar a tormenta passar – se é que ela vai passar, especialmente com a gente retirado.

A intelectualidade e setores da classe media sao propensos a esse tipo de melancolia, de pessimismo, de desanimo. Oscilam para cima e para baixo, afetados pela situação e pelas vozes de cronistas solitários, que pretendem, desde a academia, condenar o processo politico a uma derrota prolongada.

Mas a realidade nao é feita nem so de presságios pessimistas, nem do otimismo ingênuo. A realidade tem as duas caras. A realidade é contraditória. E’ ai que entra a politica, a intervenção dos indivíduos, a possibilidade de reverter o curso da historia, mesmo em condições adversas.

Os governos antineoliberais na America Latina atuaram contra a corrente, a nível nacional, latinoamericana e internacional. Conseguiram reverter a tendência a maior concentração de renda, a maior exclusão social, diminuindo as desigualdades no continente mais desigual do mundo. Conseguiram refortalecer o Estado, diante da dinamica de enfraquecimento do Estado, aprofundar a integração regional e o intercambio Sul-Sul, opondo-se à tendência de Tratados de Livre Comercio com os EUA.

Diante da crise recessiva internacional de 2008, o Brasil nao se resignou e agiu contra a tempestade, com políticas de fortalecimento dos bancos públicos, de intensificação do mercado interno de consumo de massas. Se tivesse ficado se lamentando e só denunciando, o Brasil teria sido arrasado.

Por isso a analise política da realidade tem que levar em conta os fatores positivos e negativos, os nossos pontos fortes e os fracos, assim como os do adversário. O governo do Lula avançou, desde 2003, nos pontos frágeis do neoliberalismo: privilegiou as políticas sociais, fortaleceu o Estado, intensificou a integração regional e o intercâmbio Sul-Sul. Atacou nos elos mais fracos do neoliberalismo.

Isso faz a politica, a intervenção da vontade organizada das forças sociais. Levar em conta as condições objetivas, a correlação de forcas, mas nao para se resignar a ela e sim para encontrar as formas especificas de intervenção, de concentração das forças na luta pelos nossos objetivos.

Hoje as condições de luta são muito difíceis. Sofremos uma dura derrota, que interrompeu os nossos governos, nos golpearam duramente nos nossos pontos mais fracos, nos reduziram quase à impotência, nos deixaram na defensiva, a direta ganhou a iniciativa e impôs sua agenda. Conseguiu nos isolar de amplos setores da população, criou clichês contra nós que em parte até hoje perduram e dificultam nosso acesso para dialogar com esses setores.

A direita conta com o monopólio privado da mídia, com o Judiciário e a PF, com uma grande maioria a seu favor no Congresso e com a capacidade de iniciativa que a posse do governo permite. Embora ela tenha hoje divisões, é um bloco que se unifica em torno da política econômica do golpe e do pacote antipopular que o governo mandou para o Congresso.

Mas ha os elementos de debilidade do golpismo: seu programa econômico é profundamente recessivo e anti-popular. O governo está composto pelo que mais corrupto tem a política brasileira. Seu prestigio internacional é zero.

Nós contamos com imensa rejeição popular do pacote do governo, com uma grande liderança popular que unifica a grande parte da esquerda, o deslocamento do centro das preocupações dos brasileiros do tema da corrupção para os temas sociais – o do emprego em primeiro lugar.

No fundamental, e’ uma situação em disputa. Nada diz que o governo golpista va sobreviver, nem que a esquerda retornara’ ao governo. Tudo depende da disputa neste e no proximo ano.

O catastrofismo é um caminho de derrota, de desânimo, de desmoralização, de renúncia. Temos consciência das difíceis condições que se dá a disputa atual. Mas não tínhamos condições menos difíceis durante o governo de FHC e fomos capazes de revertê-la e sair para o mais importante governo, até aqui, da historia do Brasil. Porque tivemos tenacidade flexibilidade de ação e capacidade de liderança. Elementos que temos hoje, para de novo revertera situação a favor do povo, da democracia e do Brasil.

Fonte: Brasil 247
https://www.brasil247.com/pt/blog/emirsader/314022/Contra-o-catastrofismo.htm

Share

Comentários

comentários