Conflitos sociais no campo: uma visão maniqueísta da realidade

Uma polêmica ação na sede da Aracruz, em Barra do Ribeiro (RS), aconteceu no dia 8 de março, quando mulheres ligadas à Via Campesina invadiram o laboratório de melhoramento genético da empresa e destruíram equipamentos, além de pelo menos um milhão de mudas de eucalipto. Desde então, a sociedade tem sido confrontada com uma visão maniqueísta do conflito social, em que a Aracruz aparece como a vítima de um gesto irracional. Para se contrapor a este argumento, muitos movimentos sociais e ONGs lançaram notas de solidariedade às mulheres camponesas, lembrando os crimes ambientais e sociais da Aracruz, como a expulsão de indígenas de suas terras e o plantio das monoculturas de eucalipto. A movimentação destes grupos continua, em reuniões que tentam avaliar a ação e planejar as próximas ações. (Com Agência Pulsar)

Revista diária fundada em 13 de maio de 2000.

Seções: Opinião.