Como os turcos pararam de se preocupar e aprenderam a amar gás lacrimogêneo

Por Ozan Varol, no The Huffington Post (*)

Como os turcos pararam de se preocupar e aprenderam a amar gás lacrimogêneo

A história tem exemplos importantes que demonstram o poder de resistência não-violenta contra a repressão do governo. Os movimentos liderados por Martin Luther King Jr., Mahatma Gandhi e outros como eles vêm à mente.

Os protestos não-violentos que estão agora em sua terceira semana em várias cidades da Turquia adicionam um ingrediente raro à mistura: humor. Os turcos estão em processo de elaboração de um relato histórico improvável que exemplifica como o poder do humor e da inovação pode ser efetivamente aproveitado contra a repressão e os abusos do governo.

Aqui está um guia de cinco passos de como turcos pararam de se preocupar e aprenderam a amar gás lacrimogêneo.

1. Torne os insultos em pontos de orgulho.
Quando um desafiante primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan descreveu os manifestantes como “Capulcu” (pronuncia-se “CHA-pul-dju” e traduzido aproximadamente como “ralé”), em vez de tomá-lo como um insulto, os manifestantes abraçaram seu mais recente rótulo com orgulho. Durante a noite, a palavra se transformou de um insulto a um elogio. Milhares de turcos usuários do Facebook mudaram seus nomes ou apelidos para “Capulcu” e celebridades nacionais e internacionais se descreveram como “Capulcu” para expressar seu apoio.

A raiz do substantivo turco (Capul) foi então convertida em um verbo, acrescentando o sufixo em inglês “ing” e criando um neologismo (Capuling), que agora significa “em pé por seus direitos”. Um vídeo da música intitulada “Every day I’m Capuling” foi prontamente criada ao som da letra “Every day I’m Shuffling”, do grupo LMFAO.

2. Se você levar um tapa, dê a outra face.
Muitos manifestantes passaram a se referir com orgulho às lesões em decorrência do abuso policial como “beijos de Erdogan”. Quando o gás lacrimogêneo chegava, alguns responderam com gritos de “Mais!” Quando um lapso raro ocorreu no uso desenfreado de gás lacrimogêneo, os manifestantes ligaram para a polícia para expressar suas preocupações e perguntar quando e onde o uso do artefato recomeçaria, para que eles pudessem aparecer em tempo hábil para consumir sua dose diária.

Uma foto circulou amplamente com o registro de dois manifestantes em Ancara transportando um policial ferido para um local mais seguro.

3. Responder à violência com humor.
Os manifestantes têm respondido ao uso de gás de pimenta jogando pimentas vermelhas na polícia. A pimenta já tem até apelido: “Red Hot Chili Erdogan” e “Gasfather”. Um grupo de estudantes da Universidade de Bogazici, em Istambul, compôs e cantou uma música de jazz que compara o gosto de gás de pimenta ao mel.

Outros slogans humorísticos encontrados por motivos de protesto incluem “Gás lacrimogêneo faz maravilhas em sua pele”, “Gás lacrimogêneo ajuda a perder peso” e “Eu não tomo banho há dias; Lave-me, canhões de água!” Bombas de gás lacrimogêneo tornaram-se um substituto popular para os vasos para flores presentes durante os namoros que começaram por motivos de protesto.

4. Mantenha a calma e continue “Capul”.
Muitos manifestantes não tiveram suas rotinas modificadas e continuam a trabalhar ou ir à escola. À noite, eles trocam suas roupas civis diariamente por roupas e máscaras de gás enquanto marcham. Muitos como personagens de ‘O Clube da Luta’, chegam ao trabalho ou à escola na manhã seguinte sem dormir, machucados e com os olhos cansados pelo gás.

Muitos fazem exercícios nos protestos com aulas de yoga (‘Guerreiro’ é a postura preferida) ou dançam tango enquanto vestem máscaras de gás. Outros fazem uma pausa nos protestos para estudar para exames finais. Uma estudante foi fotografada durante um protesto tirando uma soneca ao lado de uma placa que diz: “Tenho uma prova final às 2 da tarde. Por favor me acorde um pouco antes”.

5. Burlar a censura da mídia através da criatividade.
Frustrado pelo notável silêncio dos meios de comunicação turcos sobre os protestos, Ali Ihsan Varol (nenhuma relação com o autor deste texto) decidiu fazer um uso improvável de seu game show de TV “The Word Game” para chamar a atenção para eles. Todas as respostas para Varol a questões colocadas para os competidores eram referências grosseiras aos protestos em curso (por exemplo, Twitter, máscara de gás, ditador, censura) e as duas últimas respostas foram mensagens veladas para o primeiro-ministro Erdogan (“desculpas” e “demitir-se”).

Os manifestantes seguiram o exemplo do Varol. Não só aproveitaram o potencial das redes sociais como também criaram o seu próprio jornal medieval para publicar artigos, desenhos e citações em uma parede em uma importante rua em Istambul. Alguns apareceram nos protestos se vestindo de pinguins, ironizando alguns canais que transmitiram documentários sobre pinguins no auge dos protestos.

Estes são os cinco principais ingredientes para um protesto em massa “a la Turca” (ao estilo turco). Apesar de o humor, à primeira vista, parecer um ingrediente paradoxal no que é um protesto político sério, os protestos turcos podem vir a mostrar que o humor e a inovação podem ser os mais poderosos antídotos contra a repressão e os abusos do governo.

__________________________
(*) Texto original, em inglês, em http://huff.to/14OeSU5

Share

Comentários

comentários