Comissão Nacional da Verdade recebe prêmio máximo de direitos humanos da Argentina

“A CNV honra a luta do movimento de DH da América Latina e do mundo”, afirmou o chanceler argentino

Marcando o Dia Internacional de Direitos Humanos, o chanceler argentino, Héctor Timerman entregou, no último dia 11 em Buenos Aires, a edição 2014 do Prêmio Internacional de Direitos Humanos Emilio F. Mignone à Comissão Nacional da Verdade, que investigou as violações de direitos humanos durante a última ditadura brasileira (1964-1985), e cujo relatório final foi entregue no último dia 10, com a recomendação para que sejam julgados os autores de crimes contra a humanidade.

Com a presença do Embaixador do Brasil na Argentina, Everton Vieira Vargas, e do Ministro dos Direitos Humanos da Argentina, Martín Fresneda, Timerman entregou a distinção a José Carlos Dias e Paulo Sérgio Pinheiro, que representaram a CNV na ocasião, e sublinhou durante o ato que “a Comissão Nacional da Verdade hoje honra com seu trabalho a luta do movimento de direitos humanos do Brasil, da Argentina, da América Latina e do Mundo”.

“Neste ato, valorizamos enormemente o Memorando de Entendimento (saiba mais: http://www.cnv.gov.br/index.php/outros-destaques/427-brasil-assina-com-argentina-e-uruguai-acordos-para-troca-de-documentos-sobre-graves-violacoes-de-direitos-humanos ) assinado entre a Argentina e o Brasil para o esclarecimento de graves violações de direitos humanos, acordo que está em plena vigência e sob o qual temos trocado arquivos em três ocasiões no último ano. A Argentina assinou acordos semelhantes com o Chile e o Uruguai”, afirmou o chanceler argentino.

Paulo Sérgio Pinheiro e José Carlos Dias, da CNV, receberam o prêmio com profunda emoção e agradeceram a distinção. Pinheiro recordou o “trabalho conjunto e sempre eficiente entre Mignone e o Brasil” na luta contra as violações de direitos humanos durante a última ditadura militar argentina, agradeceu a Timerman pelo prêmio outorgado pela Argentina e solicitou especialmente ao chanceler que transmita à Presidenta Cristina Kirchner “o sincero reconhecimento dos seis membros CNV pela ênfase com a qual o governo argentino leva adiante os temas de memória, verdade e Justiça”, afirmou.

Leia aqui a íntegra da fala de Paulo Sérgio Pinheiro

José Carlos Dias, assim que entregou uma cópia do relatório final de 4 mil páginas, assinalou: “A história recente, heróica, do povo argentino serviu de exemplo para nosso trabalho. Recebir este prêmio internacional que leva o nome da maravilhosa figura de Emilio Mignone e o que ele representou na Argentina, América Latina e no mundo para os direitos humanos, é como recebir o Prêmio Nobel de Direitos Humanos”.

A Comissão Nacional da Verdade, estabelecida em 2011, tem como missão investigar as violações de direitos humanos cometidas entre 1946-1988, período que inclui a ditadura militar. A CNV apresentou seu relatório final em 10 de dezembro à Presidenta Dilma Rousseff e foi estabelecida com o objetivo de promover o esclarecimento de casos de torturas, mortes, desaparecimentos e ocultação de cadáveres e indicar suas autorias. O relatório final está disponível para todo o povo brasileiro e toda a comunidade internacional. Acesse aqui: http://www.cnv.gov.br/index.php?option=com_conten

Esta é a 8ª edição do Prêmio Internacional de Direitos Humanos Emilio F. Mignone que já premiou instituições e pessoas de todo o mundo por promoverem e defenderem os direitos civis e políticos ou econômicos, sociais e culturais, ou por sua luta contra a impunidade por conta de violações massivas e sistemáticas de direitos humanos ou contra a discriminação.

( Matéria publicada originalmente no site do Ministério das Relações Exteriores e Culto da República Argentina )

Fonte: CNV

(16-12-2014)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *