Climão de ‘Ameo-o ou deixei-o’

“Minhas amigas e meus amigos, tem gente que alega que os recursos da Copa deveriam ter sido aplicados na saúde e na educação. Escuto e respeito essas opiniões, mas não concordo com elas.”

E você, concorda com ela?

* * *

Matéria da agência “Pública” coloca os pingos nos “is” e mostra que Copa é essa, se levamos em conta principalmente os direitos humanos: apublica.org/a-copa-e-do-povo

Vocês sabiam que a Fifa é uma entidade “sem fins lucrativos”?

E é democrática também.

* * *
O governo afirma que a Copa “injeta recursos na economia”, mas não né. Completo em apublica.org/2014/04/territorio-da-fifa

O país do futebol é pobre até mesmo no que supostamente faz de “melhor”: no futebol.

* * *
Privataria. “(…) Agora, dependo do tamanho da festa, é necessário até pagar para que a Fifa e TV Globo autorizem a transmissão pública de partidas. O custo, aliás, pode chegar a R$ 28 mil.”

Leia em http://bit.ly/1l6S0sC

* * *
Vem da Argentina um pouco de lucidez:

Latuff

Via Opera Mundi, a declaração aqui.

* * *
Na mídia internacional. São Paulo police fire stun grenades at protesters three days before World Cup opener (The Telegraph)

A grim mood is dividing many Brazilians as a sluggish post-boom economy saps optimism and resentment simmers over the ballooning costs of the FIFA World Cup, which opens Thursday. (The New York Times)

Photo: Mauricio Lima for The New York Times

Photo: Mauricio Lima for The New York Times

* * *
Os meus também:

Via Cristovam Buarque

Via Cristovam Buarque

* * *
Da BBC: Os ‘Dois Brasis’ da #Copa2014 – centenas de famílias expulsas de prédio da Telerj, no Rio, estão vivendo de forma precária em uma igreja. A cerca de 1 km dali fica o Aeroporto Internacional Tom Jobim, que vai receber milhares de turistas: http://bbc.in/1q00DFF

* * *
Adoro esse jornalismo “Segundo fontes”.

Segundo fontes do [COMPLETAR COM O SEU MEIO DE COMUNICAÇÃO], o [PERSONALIDADE/LIDERANÇA/QUALQUER PESSOA] deverá mesmo [AÇÃO À SUA ESCOLHA, USE SEM MODERAÇÃO].

Dê sua sugestão de manchete aqui.

* * *
Petrobrás: quando o limite ideológico entre entre pê disso e pê daquilo estranhamente se dissolve.

* * *
Importante. Depoimento de uma amiga: “Eu tive 3 partos normais (sendo o último de gêmeos) e contei com sorte e de certa forma, astúcia, para que assim fosse. Nesse ponto sou covarde: – Não me imagino sendo cortada!

Um dos motivos de ter me casado no papel foi ter o “direito” a um parto normal em Hospital Militar. O 2o parto, optei pela maternidade pública da cidade, sem médico particular acompanhando, sem tratamento “vip”, sem café da manhã na cama, sem quarto privado. Mas lá, eu pelo menos tinha certeza que não inventariam motivos para uma cesária.

O 3o parto, tenho convicção que se estivesse no Brasil, sofreria uma cesária: Estava no Japão, país onde “nem pagando” se faz uma cesária desnecessária. Ufa! E foi até o fim, mesmo os médicos acreditando que seria quase certo uma cesária, me deram confiança de que um parto normal era possível.

Foi um dos dias mais emocionantes da minha vida! Um presente.

Que a sociedade brasileira, possa, um dia, entender a profundidade de um parto normal para o bebê, para a mãe e para a própria sociedade.

#SomosTodasAdelir” — entenda aqui.

* * *
Imperdível o Diário Semanal desta semana (ou desse dia, ou desse momento, sei lá):

* * *
De Mohammed Assaf, do “Arab Idol”, durante visita ao Brasil: “(…) O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, já criticou a sua música, insinuando que ela incita à violência de árabes contra Israel.

— Em primeiro lugar, sou um artista, e ele, um chefe de governo. Se a minha música o incomoda, isso é problema dele. Estou aqui para cantar, não para incitar violência alguma. Mas me pergunto: por que ele se incomodaria comigo? É mais um exemplo de como não temos tido a chance de nos expressarmos. Minha resposta para isso é cantar a humanidade e a liberdade. Acredito que uma música é muito mais poderosa do que armas e balas.”

Matéria na Inter d’O Globo: http://glo.bo/1l4bLfD

* * *

Por Rafael Barreto, mais aqui.

* * *

Registro de uma amiga em Praia Brava, Arraial do Cabo. Este sou eu com a camisa do Mecão, o America Football Club.