Cesare Battisti completa 4 anos como prisioneiro político no Brasil

Hoje é 18 de março, dia em que o escritor Cesare Battisti completa seu quarto ano de prisão injustificada, iníqua e abusiva no Brasil.

Desde o primeiro momento, foi vítima da sanha inquisitorial de quem deveria deixar suas paixões de lado ao vestir a toga… mas não o faz.

Pois, no caso de alguém que levava existência pacífica, regrada e produtiva desde 1981, tendo constituído família e se projetado nas letras, o que cabia, para garantir sua entrega à Itália caso o pedido de extradição fosse julgado procedente, era a colocação em liberdade vigiada. Nada mais.

Assim teriam agido se ele fosse um banqueiro crapuloso qualquer, não um digno e idealista homem de esquerda, a quem a mais repulsiva ultradireita italiana tenta imolar como símbolo de uma pretensa vitória sobre os ideais libertários que sacudiram o mundo em 1968 e anos seguintes. [A última palavra não está dada, podem-se arrancar muitas flores, mas, jamais, impedir a chegada da primavera!]

Evidentemente, quem o estigmatizava para mais facilmente condenar, preferiu a captura desnecessariamente espetaculosa e o confinamento numa  casa dos mortos brasiliense (a Superintendência da Polícia Federal, horrível depósito de presos no qual permaneceu por mais de um ano, até ser transferido para o bem menos opressivo Centro Penitenciário da Papuda).

Aí, em janeiro de 2009, o então ministro da Justiça Tarso Genro lhe assegurou o direito de residir e trabalhar em paz no Brasil, a salvo da  vendetta dos neofascistas italianos e do ex-serviçal da Cosa Nostra empenhado em superar os piores deboches de Calígula.

Pela lei e pela jurisprudência brasileiras, era tudo de que Battisti precisava para sair do pesadelo kafkiano em que o atiraram.

Mas, o empenho de dois ministros gritantemente reacionários do Supremo Tribunal Federal fez com que todos os trâmites fossem distorcidos no caso de Cesare.

Nem a produção do mais tendencioso relatório de um ministro do Supremo em todos os tempos foi, contudo, suficiente para tirar a decisão final das mãos de quem sempre a deu no Brasil: o presidente da República.

E Luiz Inácio Lula da Silva, no último dia do seu governo, reafirmou a soberania nacional, tão vilipendiada pela turba linchadora italiana.

Isto ainda não foi suficiente para o autor do relatório desmoralizado, que, agora no novo papel de presidente do STF, passou a ganhar tempo na esperança de ter êxito numa nova prestidigitação, forçando mais uma virada de mesa legal.

Então, ao invés de libertar de imediato Battisti, que era a única atitude que lhe cabia tomar, preferiu mantê-lo em PRISÃO CLAMOROSAMENTE  ILEGAL e, como tal, denunciada por nossos mais eminentes juristas.

Desde janeiro de 2009 Cesare Battisti é vítima de evidente PERSEGUIÇÃO JUDICIAL.

Desde a decisão de Lula, está sendo mantido sob inequívoco SEQUESTRO.

E assim se roubaram quatro anos da vida de um homem, em nome de acontecimentos longínquos e de uma sentença espúria, verdadeiro linchamento togado a que Battisti foi submetido durante o  macartismo à italiana dos anos de chumbo — aquele período escabroso da história dessa grande nação, no qual, dentre outras aberrações, as torturas eram acobertadas, as leis retroagiam e as prisões preventivas podiam durar mais de uma década (!).

Como bem disse o Carlos Lungarzo, da Anistia Internacional, Cesare Battisti somos todos nós — os cidadãos sujeitos a ser privados da liberdade, ao arrepio da lei e desconsiderando a jurisprudência, como consequência do ARBÍTRIO de perseguidores poderosos.

Lembrem-se: os que permanecem cegos, surdos e mudos diante das injustiças que Battisti sofre poderão algum dia debater-se num mesmo labirinto, sem ninguém solidário para lhes apontar a saída.

Bem
Lembrei que no Brasil, quando uma pessoa é presa e não é julgada imediatamente (em determinado tempo limite), esta pessoa deve ser solta. Não sei se isso somente é válido para crimes comuns, mas de qualquer modo façam alguma coisa para salvar Battisti do sequestro submetido pelo STF.

  • Muito facil falar quando nao se tem algum familiar asassinado….ele ate hoje so tirou ferias, e somente fez 4 anos de prisao(provavelmente com computador e tv. Tem que voltar para Italia, e la ser julgado, e ver de novo os parentes das pessoas mortas e o filho que ficou paraplegico do joalheiro morto.
    Lula so jogou a pedra no ultimo dia do mandato e se foi….grande atitude!

  • Cara, você acredita mesmo nisso que escreveu? Então, deve acreditar também em papai Noel. Deixa te contar, pessoas ingênuas como você costumam ser passadas pra trás e se decepcionam muito na vida. Pois são capazes de levantar uma bandeira defendendo assassinos e dar a cara a tapa por causas furadas. Ou você é dissimulado, ou está fazendo papel de bobo.

  • Opinar em um caso como este é sempre muto difícil, uma vez que temos valores e princípios em condições antagônicas.
    Para os familiares das vítimas, pela dor presente e pelo ardor por justiça, resta apenas que seja atribuído ao Estado, no caso a Itália, que preste a tutela dos seus direitos apontando um cupado para que cumpra a tão esperada “justiça”. Para o Estado italiano, devido a grande repercussão e interesse pelo caso não me parece que o crime atribuído a Batistti trate-se de um “simples caso de ‘crime comum'”, está evidente que existe um imenso jogo político por trás de tudo isso.
    O que se deve observar é que, o Brasil deve julgar a concessão ou não da extradição de acordo com os critérios legais, bem como a observar a sua soberania sem deixar-se influenciar por questões externas ou ameaças de represálias ou embargos econômicos.
    Tribubais e legislações de exceção são práticas intoleráveis na observância dos Direitos Humanos e do Homem. A defesa da soberania judicial do Brasil também é a defesa dos direitos de cada brasileiro.

  • Bem, o cara assassinou inocentes e deixou uma pessoa paraplégica. E ainda tem gente que tenta defender?
    O Lula protege assassinos e os esquerdistas cegos apóiam.
    Claro, não foi ninguém da família deles que foi morta.
    Os esquerdistas são mesmos fanáticos radicais, cegos.

  • Estou comovido com a cara do assassino… que coisa, e ainda tem gente que defende aqueles que matam em nome de uma causa. Ingenuidade ou bestialidade, não sei, só sei que vivemos em um periodo muito negro e onde os valores estão a mingua…

  • Não há nada no ordenamento jurídico brasileiro que justifique a manutença da prisão de Battisti. O que está ocorrendo é mais que uma vergonha, é uma completa violação dos princípios básicos do ordenamento juridico nacional e internacional. Você pensa que isso é pouco e que devemos deixar para lá? Pense… Pense que por uma questão ou outra, você mesmo pode ser vítima de tão espúria orquestração, pois a lei, a lei é do mais estúpido.

    Lembro do imortal pensamento de Brecht

    Primeiro levaram os negros
    Mas não me importei com isso
    Eu não era negro

    Em seguida levaram alguns operários
    Mas não me importei com isso
    Eu também não era operário

    Depois prenderam os miseráveis
    Mas não me importei com isso
    Porque eu não sou miserável

    Depois agarraram uns desempregados
    Mas como tenho meu emprego
    Também não me importei

    Agora estão me levando
    Mas já é tarde.
    Como eu não me importei com ninguém
    Ninguém se importa comigo.

  • Mas, então, o Chefe do Executivo desempenhar função do Judiciário, para ajuizar a seu livre arbítrio, como se ele fosse o próprio Judiciário, não soa muito bem nos ouvidos dos pobres tupiniquins! Não posso concordar com o ministro Fux. Aliás, ele já causou um pandemônio na interpretação da Lei de “Ficha Limpa”.
    Em assunto de Judiciário, o Chefe do Poder Executivo não deveria meter o bedelho. Foi um grande equívoco conferir ao Chefe do Executivo o condão de poder contrariar uma decisão da Suprema Corte. A coisa foi tratada politicamente de forma velada.
    O presidente da República não pode se revestir de soberania especial a tal ponto de desrespeitar a soberania do Estado Democrático de Direito. O STF faz parte dessa soberania, logo a sua decisão de extraditar Cesare Battisti deveria ser acolhida pelo presidente da República.

  • Daonde Voces “esquerdinhas” do Brasil tiram a ideia de que este terrorista vigarista é de esquerda. O battisti pertencia ao PAC, um grupelho comunista e marginal que queria impor suas ideias na marra. Não existe diferença entre estes grupos que matam e outras coisas mais são todos terroristas, tanto faz de esquerda ou direita.
    Suprimir os direitos humanos a bala matando gente do povo(deles) é algo intoleravel p/ quem defende e valoriza a democracia. Se não me falha a memoria o PCI era um partido regular na italia e participava do governo na epoca. Não havia nenhuma luta contra uma ditadura estabelecida. Este terrorista não foi condenado por numa trincheira e em combate ter morto agentes da repressão italiana e sim gente comun do povo(civis)que estavam desarmadas.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *