Central Sindical e Popular-Conlutas repudia violência de Estado no Rio de Janeiro e se solidariza com professores

RioDurante a tarde de domingo, professores da rede municipal do Rio de Janeiro tiveram espaço na reunião da Coordenação Nacional da CSP-Conlutas para denunciar a violenta repressão policial para desocupar a Câmara dos Vereadores na noite anterior.

A representante do SEPE-RJ Maristela Abreu contou as atitudes vergonhosas protagonizadas pela polícia carioca e pediu que a Central e todas as entidades filiadas endossassem as notas de solidariedade aos professores e o repúdio à açAo policial cometida na noite anterior a mando do prefeito Eduardo Paes.

Moção em Solidariedade à greve dos trabalhadores da Educação do Rio de Janeiro

No dia 08 de agosto de 2013 teve início a mais poderosa greve da educação pública no Rio de Janeiro. Neste dia os trabalhadores em assembleia deflagaram uma greve nas escolas estaduais e nas do Município do Rio de Janeiro. São mais de 70 mil trabalhadores que aderem a este movimento colocando em cheque a política neoliberal e meritocrática do Governo Sérgio Cabral e do Prefeito Eduardo Paes. Suas reivindicações de melhores condições de trabalho e salário empalmam com a exigência de uma educação pública de qualidade de milhões que ocuparam às ruas nos meses de junho e julho.

Tanto Cabral como Paes preferem gastar milhões com a preparação dos mega eventos (Copa e Olimpíada), alimentar a industria da corrupção e desmontar a educação em pública carioca e no Estado do Rio de Janeiro do que oferece um ensino de qualidade aos filhos e filhas dos trabalhadores. Além disso, estes governantes atacam os direitos dos trabalhadores da educação pública com um brutal arrocho salarial e a responsabilização da categoria pelo fracasso escolar. Se negam a atender as mínimas reivindicações com sua política meritocrática, impondo uma série bônus e gratificações que dividem e colocam em competição entre si tanto os professores como os funcionários.

Os trabalhadores das escolas municipais tentaram uma saída negociada contra estas políticas por 19 anos. Diante da dura realidade de completa intransigência por parte da prefeitura não tiveram outro caminho ser não recorrer a greve. Nestes cinquenta dias de greve já há duas vitórias políticas da luta: a certeza de que a mobilização pode arrancar uma educação de qualidade, manter e ampliar os direitos e a derrota política do governo diante dos demais trabalhadores e do povo. A força das greves desmascarou o populismo dos governantes que se elegem defendendo a educação como uma de suas principais prioridade.

Também deixa claro a serviço de quem está a grande imprensa que, mesmo diante do fechamento de várias escolas e o sucateamento da educação, ataca a greve para proteger os poderosos. Nós, representantes das entidades da Coordenação Nacional da CSP-Conlutas, estamos solidários com a luta destes trabalhadores. Nos colocamos ombro a ombro com a greve dos professores e funcionários incondicionalmente. A luta da educação no Rio é a mesma travada pelos educadores em todos os municípios e estados dos país. Suas reivindicações também são denuncias do profundo processo de privatização do ensino público federal, estadual e municipal. Exigimos do Governo Sérgio Cabral e da Prefeitura de Eduardo Paes o imediato atendimento de todas as justas reivindicações dos profissionais de educação em luta.

Conclamamos que as demais entidades e movimentos se somem a esta exigência em nome da construção de uma escola pública, gratuita e de qualidade que atenda aos interesses do conjunto da classe trabalhadora. A nossa unidade e solidariedade com a greve dos educadores do Rio de Janeiro pode pavimentar a necessária vitória destes lutadores e avançar na vitória de toda a classe.

Moção de repúdio à violenta ação policial

PM-RJ DO GOVERNADOR SERGIO CABRAL A SERVIÇO DO PREFEITO EDUARDO PAES REPRIME VIOLENTAMENSTE PROFISSIONAIS DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Na calada da noite de sábado (28/09/2013) para domingo (29/09/2013) a Policia Militar do Rio de Janeiro expulsou com bombas, choques elétricos e armas químicas (gás lacrimogêneo e spray de pimenta) os profissionais de educação que – lutando por um educação pública gratuita e de qualidade – ocupavam a Câmara de Vereadores da cidade do Rio de Janeiro.

Dando continuidade a sua greve, iniciada em 8 de agosto de 2013, que estava suspensa, e objetivando impedir que fosse votado um “PCCR” “Plano de Cargos Carreira e Remuneração”, elaborado pelo governo Paes, cujo conteúdo é um profundo ataque à escola publica e às trabalhadoras e trabalhadores que nela trabalham, os profissionais da educação ocuparam a Câmara de Vereadores.

Foram várias passeatas reunindo nas ruas 20 mil cozinheiras e cozinheiros; porteiras e porteiros; secretárias e secretários; auxiliares de creche; professoras e professores. A solidariedade dos estudantes, dos responsáveis, da população em geral tem sido a tônica dessa luta que enfrenta o prefeito Eduardo Paes e sua secretária de educação Claudia Costin.

Diante desta justa luta a resposta de Eduardo Paes, com o auxílio do governador Sergio Cabral, agora é a brutal repressão policial.

A CSP-Conlutas manifesta seu incondicional apoio à luta dos profissionais da educação da cidade do Rio de Janeiro. As entidades, oposições e movimentos que compõem nossa Central desde já estamos realizando campanha de denúncia da violência sofrida por nossas irmãs e irmãos trabalhadoras e trabalhadores da educação pública da cidade do Rio de Janeiro e exigindo o imediato atendimento de suas reivindicações.

Repudiamos a brutal violência policial usada contra os trabalhadores e a as trabalhadoras da educação da cidade do Rio de Janeiro. Exigimos do prefeito Eduardo Paes a reabertura das negociações. Exigimos a retirada do PCCR do prefeito Eduardo Paes e a aprovação do PCCS (Plano da Cargos Carreira e Salários) elaborado pela categoria.

Abaixo a repressão

Pela desmilitarização da Polícia Militar – Fim da PM

Fora Cabral, vá com Paes.

Share

Comentários

comentários