CASO SUDER-GAUGER: NOVOS FATOS

 

 

 

 

Caso Suder-Gauger: Novos Fatos

Carlos A. Lungarzo, com base nas informações de Amparo Ibáñez.

Em outubro e novembro de 2011, publiquei várias notas sobre o casal de origem alemão Sonja Suder  e Christian Gauger, que fora deportado da França a Alemanha, após várias décadas de vida normal e irretocável em Paris. http://aluzprotegida.blogspot.com.br/2011/10/caso-suder-gauger-christian-foi.html

Sonja (79 anos) e Christian (70 anos) foram membros das células revolucionárias (RZ) da Alemanha dos anos 70, período no qual estes movimentos combateram o renascimento do nazismo, e sua crescente atuação desde o aparato repressivo.

O grupo francês de solidariedade com o casal foi a Frankfurt, em fevereiro de 2012, para continuar mantendo sua ação de apoio com os deportados. A seu retorno à França, o grupo se manifestou sobre a situação de ambos.

Christian tido sido libertado pouco após a chegada à Alemanha, e aguarda processo em liberdade, mas sua companheira esperava ainda o julgamento.

A data do processo de Sonja ainda não tem sido definida. Quando recebi esta informação se supunha que podia começar no final do Abril, mas nada é muito seguro nestes processos.

Existe suspeição de parcialidade da juíza, da qual foi pedida a recusa, mas ainda não houve resposta, apesar de ter transcorrido mais das 3 semanas previstas na lei. A juíza possui reputação de ser ideologicamente parcial, reacionária e rígida.

Por sua vez, supõe-se que o julgamento de Christian pode durar mais de um ano, porque os médicos aconselham que não assista ao tribunal mais de 3 horas, duas vezes por semana.

O caso continua produzindo mobilização em vários países. Já foram constituídos grupos de militantes em diferentes cidades da Alemanha, como Frankfurt, Köln, Hannover, Berlin, etc. Está sendo formado outro círculo de solidariedade em Bélgica.

Os grupos solidários organizam reuniões e debates públicos para lembrar a história política dos anos 70. Seu objetivo é convocar o maior número possível de pessoas para informar e responder os pontos de vista divergentes. Visam defender as linhas políticas atuais, mas também a pertinência das ações das Células Revolucionárias (RZ), na época em que estas desenvolveram suas ações. Lembra-se que, a partir de 1976, as RZ renunciaram a qualquer ação que pudesse colocar vidas em risco, limitando-se às operações que produziam danos materiais.

O caso de Sonia e Christian ameaça se estender durante algum tempo, e tentaremos manter os internautas informados.

 

 

Share

Comentários

comentários

Carlos Alberto Lungarzo é matemático, nascido na Argentina, e mora no Brasil desde sua graduação. É professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), São Paulo, e milita em Anistia Internacional desde há muito tempo, nas seções mexicana, argentina, brasileira e (depois do fim desta) americana. Tem escritos vários livros e artigos sobre lógica, estatística e computação quântica, mas seu interesse tem sido sempre os direitos humanos.

Seções: Opinião.