Bolsonaro é um tigre de papel

Por Alex Solnik

Para dar atualidade à palestra premonitória de Mao Tse Tung, realizada a 14 de julho de 1956, intitulada “Imperialismo dos EUA é um tigre de papel”, logo abaixo, troque “Estados Unidos” por “Bolsonaro”, “países” por “partidos”, “americano” por “brasileiro” e “imperialismo” por “bolsonarismo”.

E entenda porque, tal como o imperialismo americano, forte, porém divorciado do povo, Bolsonaro também é um tigre de papel “incapaz de resistir ao vento e à chuva” e “está condenado” porque “o fraco sempre vence o forte”:

Tudo está sujeito a alterações. As grandes forças decadentes darão lugar às pequenas forças recém-nascidas. As pequenas forças vão se transformar em grandes forças porque a maioria das pessoas exige essa mudança. As forças imperialistas dos EUA vão mudar do grande para o pequeno porque o povo americano também está insatisfeito com o seu governo.

Pequenas forças ligadas ao povo tornam-se fortes, enquanto grandes forças opostas às pessoas se tornam fracas.

O governo de Chiang Kai-shek na China foi reconhecido pelos governos de todos os países e durou vinte e dois anos, e suas forças eram as maiores. Nossas forças eram pequenas, cinquenta mil membros do Partido a princípio, mas apenas alguns milhares depois de supressões contra-revolucionárias. O inimigo causou problemas em todos os lugares. Mais uma vez esta lei funcionou: os grandes e fortes acabam derrotados porque são divorciados das pessoas, enquanto os pequenos e fracos emergem vitoriosos porque estão ligados às pessoas e trabalham em seu interesse. É assim que as coisas acabaram no final.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Durante a guerra anti-japonesa, o Japão era muito poderoso, as tropas do Kuomintang foram levadas para o interior, e as forças armadas lideradas pelo Partido Comunista só podiam conduzir guerrilhas nas áreas rurais atrás das linhas inimigas. O Japão ocupou grandes cidades chinesas como Pequim, Tientsin, Xangai, Nanquim, Wuhan e Cantão. No entanto, como o Hitler da Alemanha, os militaristas japoneses entraram em colapso em poucos anos, de acordo com a mesma lei.

Os grandes e fortes não podem vencer, são sempre os pequenos e fracos que vencem.

Agora o imperialismo dos EUA é bastante poderoso, mas na realidade não é. É politicamente muito fraco porque é divorciado das massas do povo e não é apreciado por todos e também pelo povo americano. Na aparência, é muito poderoso, mas na realidade não é nada para se ter medo, é um tigre de papel. Exteriormente um tigre feito de papel é incapaz de resistir ao vento e à chuva. Eu acredito que os Estados Unidos não são nada além de um tigre de papel.

A história como um todo, a história da sociedade de classes há milhares de anos, provou isso: os fortes devem dar lugar aos fracos. Isso vale para as Américas também.

Somente quando o imperialismo é eliminado, a paz pode prevalecer. Chegará o dia em que os tigres de papel serão eliminados. Mas eles não serão extintos por vontade própria, eles precisam ser golpeados pelo vento e pela chuva.

Quando dizemos que o imperialismo dos EUA é um tigre de papel, estamos falando em termos de estratégia. Em relação a isso como um todo, devemos desprezá-lo. Mas em relação a cada parte, devemos levar isso a sério. Tem garras e presas. Temos que destruí-lo aos poucos. Por exemplo, se tiver dez presas, derrube uma na primeira vez, e restarão nove, bata outra e restarão oito. Quando todas as presas se forem, ainda terá garras. Se lidarmos com isso passo a passo e a sério, certamente teremos sucesso no final.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Estrategicamente, devemos desprezar totalmente o imperialismo dos EUA. Taticamente, devemos levar isso a sério. Ao lutar contra isso, devemos levar a sério cada batalha, cada encontro. Atualmente, os Estados Unidos são poderosos, mas quando vistos em uma perspectiva mais ampla, como um todo e de um ponto de vista de longo prazo, não têm apoio popular, suas políticas não são apreciadas pelas pessoas, porque as oprimem e exploram. Por esta razão, o tigre está condenado. Portanto, não é nada para se ter medo e pode ser desprezado.

Mao tinha uma boca que vou te contar. A Guerra do Vietnã, que tinha começado um ano antes, terminou a 30 de abril de 1975, com derrota do forte Estados Unidos para o fraco Vietnã do Norte.

Revista diária fundada em 13 de maio de 2000.

Seções: Brasil, Opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *