Ato no Cristo Redentor marca celebrações pelo Dia Mundial do Orgulho LGBT

Ativistas do Grupo Arco-Íris e entidades representativas de todo o estado levaram girassóis ao monumento e cantaram os versos da canção “blues da piedade”

Foto: Fabiano Veneza

O Movimento LGBT fluminense realizou nesta manhã de domingo (28/6), uma manifestação pública para marcar o Dia Mundial do Orgulho LGBT. Mais de 60 pessoas, oriundas das mais diversas organizações de combate à homofobia e promoção dos direitos humanos do estado, participaram do ato que também serviu para visibilisar a principal demanda do Movimento: criminalizar a homofobia em todo país.  Os ativistas cantaram a música “Blues da Piedade”, de Roberto Frejat e Cazuza, como um grito de reivindicação para um basta aos crimes homofóbicos.

“Fizemos um ato parecido com este há dois anos atrás. Hoje voltamos aqui para agradecer ao Cristo pelas vitórias alcançadas e pedir que os crimes homofóbicos não aconteçam mais em nosso país. Precisamos juntar esforços para que o PLC 122/06 seja aprovado pelo Senado Federal o quanto antes, senão continuaremos a vivenciar as humilhações, as agressões e os assassinatos com requintes de crueldade para com a comunidade LGBT. Basta de homofobia!”, afirmou Cláudio Nascimento.

A presidente do Grupo Arco-Íris, Gilza Rodrigues; o ator-transformista Lorna Washington; a travesti Jane Di Castro juntaram-se ao coro dos militantes que entoaram palavras de ordem como: “Homofobia Não!”. Materiais de divulgação da Campanha Não Homofobia! foram distribuídos aos presentes, que disseram ter gostado da manifestação e aderirão à campanha através do site www.naohomofobia.com.br.

Gilza Rodrigues lembrou ainda o significado da data – quando há exatos 40 anos freqüentadores do bar Stonewall Inn reagiram a uma batida policial arbitrária e decretaram um basta à discriminação e ao preconceito contra homossexuais. A presidente do Grupo Arco-Íris também citou a importância da mobilização social. “Precisamos pressionar o Senado Federal a votar o PLC 122/06 – criminalização da homofobia. Para isso é fundamental a adesão à campanha virtual www.naohomofobia.com.br. A nossa luta é pela dignidade, pelo respeito e pelo direito de expressar nosso afeto”, finalizou.

A manifestação foi realizada com o apoio da Superintendência de Direitos Individuais Coletivos e Difusos da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos.

Share

Comentários

comentários