As calçadas de João Pessoa e o direito de ir e vir

Rua Helena Meira Lima antes de chegar à beira mar IIIEssa manhã, andara outra vez pela calçada da avenida Cabo Branco. A avenida beira-mar. Muitos dias sem andar por esses lados. O mar, brilhando sob o sol. As pessoas andando. Mulheres bonitas, ciclistas, cachorrinhos com seus donos.

E, na calçada, as marcas a tinta dizendo, onde faltava uma pedra: IPTU, ISS, IPVA, IPTUDO. A justa indignação da cidadania. A indiferença das autoridades para com os pedestres.

Lembrara da sua árdua peleja para tentar convencer as autoridades municipais de João Pessoa, de que é necessário que as calçadas sejam mantidas em condições de transitabilidade.

Há lugares da cidade em que simplesmente não há calçada: você é obrigado a andar pela rua. Em outros lugares, a calçada está obstruída por carros atravessados, mesas de bares, etc.

Pensara que nas revoltas de junho, toda esta ira cidadã diante da indiferença das autoridades para com os problemas da cidadania, estourara. Corrupção é também calar diante do mal, me parece. Posso estar equivocado, mas penso assim.

Continuara a caminhada, por outras calçadas, também deterioradas, a maior parte delas. Buracos, pedras soltas. O direito de ir e vir deveria ser válido também para os pedestres.

Foto: Rua Helena Meira Lima, esquina Av. Cabo Branco

Caro amigo fraterno Rolando
Gosto muito do que escreve e esta denúncia sobre as calçadas devem ser divulgadas, pois também vi o mesmo protesto onde havia falta das pedras ou estavam quebradas.
Gostaria apenas de acrescentar que há outros fatores a considerar. Você vê os skatistas que na calçada causam danos. Eles merecem ter espaço, como já existe aos domingos.
Infelizmente há ciclistas que passam no meio da pista e causam problema, pois os pedestres tem que ter cuidado com eles.
Há também pedestres que resolvem correr na ciclovia, o que foi motivo da morte de um rapaz, cuja bicicleta pintada de branco está exposta na calçada de frente ao Jangada Clube, como advertência que nem sempre é observada.
Enfim, nosso povo precisa de educação.
Obrigada por tudo Abraços , magdala

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *