Ameaçados de morte por fazendeiros divulgam carta no Pará

Após um encontro de lideranças e trabalhadores rurais ameaçados de morte no Pará, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) divulgou nesta quinta-feira (15) uma carta dirigida a autoridades estaduais e federais. (Da Agência Pulsar)

De acordo com o documento a situação no estado é grave. Apenas nas regiões sul e sudeste do Pará, mais de 40 lideranças se encontram ameaçados de morte. Em 2011, já ocorreram 10 assassinatos de trabalhadores rurais nessas regiões.

A carta aponta que essa situação se deve principalmente “à falência do Instituto Nacional de Reforma Agrária (Incra) e da Reforma Agrária”. Neste ano, nenhuma fazenda foi desapropriada e nenhum assentamento foi criado nas regiões sul e sudeste do Pará.

Mais de 10 mil famílias aguardam serem assentadas. A carta também destaca que trabalhadores e lideranças locais se sentem ameaçados diante da ação criminosa de pistoleiros que trabalham a mando de fazendeiros.

A CPT também responsabiliza o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) e a Polícia Federal por inoperância em coibir e penalizar a extração ilegal de madeira e a produção ilegal de carvão. Esses tipos de práticas são, muitas vezes, responsáveis pelo acirramento dos conflitos por terra.

Além de maior agilidade por parte das instituições responsáveis no Pará, a carta reivindica o fortalecimento do Programa de Defensores de Direitos Humanos para os trabalhadores rurais ameaçados de morte.