Afeganistão: arquivo 2005

Anistia adverte que tortura continua

LONDRES. Os presos mantidos sob a guarda dos Estados Unidos no Iraque, no Afeganistão e na base de Guantánamo (Cuba) continuam sob a ameaça de sofrerem tortura e maus-tratos, indicou ontem o grupo Anistia Internacional. Um ano depois do escândalo na prisão de Abu Ghraib, no Iraque, quando soldados americanos se fotografaram torturando detentos, grupos de defesa dos direitos humanos alertam que o governo dos EUA continua desrespeitando as leis internacionais. Do Jornal do Brasil, 14/5..[+]

Protestos causam outras 9 mortes no Afeganistão

CABUL. Relatos de profanação do Alcorão por interrogadores americanos na Base de Guantánamo, em Cuba, publicados pela imprensa ocidental, levaram ontem ao terceiro dia de protestos violentos no Afeganistão, com pelo menos mais nove mortes. Com isso, já são 16 as vítimas em confrontos entre manifestantes e as forças de segurança ao longo da semana por causa da suposta violação do livro sagrado muçulmano. Do jornal O Globo, 14/5..[+]

Cresce protesto contra EUA

CABUL. Os protestos contra os Estados Unidos se intensificaram ontem no Afeganistão após a oração muçulmana das sextas-feiras. Pelo menos nove pessoas morreram, entre elas policiais, quando as forças de segurança tentaram impedir invasões a sedes oficiais e de organizações ocidentais. Com este número, chega a 16 o total de mortos desde o começo das manifestações, na terça-feira, em Jalalabad (Leste). Do Jornal do Brasil, 14/5..[+]

Revolta contra os EUA

CABUL. Aos gritos de ”Morte à América” e com imagens do presidente americano, George Bush, em chamas, manifestantes afegãos atacaram escritórios de duas agências da ONU, a sede de uma ONG sueca, o consulado do Paquistão, além de carros, lojas e um comboio de soldados dos EUA ontem, em Jalalabad, perto da fronteira com o Paquistão. Do Jornal do Brasil, 12/5..[+]

Afeganistão oferece anistia para o Talibã

CABUL. O governo do Afeganistão ofereceu ontem anistia para os membros do Talibã e fez um apelo para que os militantes e líderes do grupo aproveitem a oportunidade para abandonar de vez sua luta. O presidente Hamid Karzai divulgou inicialmente uma anistia aos militantes do baixo escalão do grupo, mas o ex-presidente Sibghatullah Mojaddedi, um dos negociadores com o Talibã, disse que a oferta também é válida para o líder do movimento, mulá Omar, e para outro chefe militante, Gulbuddin Hekmatyar. “Queremos a paz com todos, sem exceção. Eles (Omar e Hekmatyar) podem pôr suas armas no chão, aceitar a Constituição do Afeganistão e obedecer ao governo”, disse. O coronel Jim Yonts, porta-voz militar dos Estados Unidos, disse que seu país apóia a anistia mas que ela, no entanto, não deve ser aplicada a todos os membros do grupo. Do jornal O Globo, 10/5..[+]