A propriedade privada e os sentidos, por Karl Marx

“A propriedade privada tornou-nos tão néscios e parciais que um objeto só é nosso quando o temos, quando existe para nós como capital ou quando é diretamente comido, bebido, vestido, habitado, etc., em síntese, utilizado de alguma forma. (…)

Assim, todos os sentidos físicos e intelectuais foram substituídos pela simples alienação de todos eles, pelo sentido de ter.”

Karl Marx, Manuscritos Econômicos e Filosóficos de 1844, III Manuscrito: Dinheiro.