“A língua sem arcaísmos. Sem erudição. Natural e neológica. A contribuição milionária de todos os erros”

A frase acima é de Oswald de Andrade, citada na ótima reportagem abaixo, a propósito da discussão sobre a “norma culta” da língua portuguesa. Ninguém vai à praia de terno, assim como ninguém vai a um casamento de chinela. A exposição “Menas” esteve no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, no ano passado.

“Falar errado é quando você fala e o outro não entende”.

(Dica de George Araujo)