A doença burguesa de Boris Casoy

Share

São Paulo. Cidade Universitária, 1994. Fernando Braga da Costa, aluno do segundo ano de Psicologia da Universidade de São Paulo, tem uma tarefa: acompanhar, por um dia, o cotidiano de um grupo de trabalhadores. Ele escolheu os garis, que todos os dias varrem as calçadas e ruas e esvaziam as lixeiras do campus da maior universidade brasileira. Desde então, há 10 anos, o aluno, hoje psicólogo clínico e doutorando pela mesma universidade, se veste semanalmente de gari para ouvir os relatos de seus companheiros e sentir na pele a humilhação social sofrida por eles.

"Homens Invisíveis: Relatos de uma Humilhação Social", de Fernando Braga da Costa

"Homens Invisíveis: Relatos de uma Humilhação Social", de Fernando Braga da Costa

A experiência e as diversas histórias reunidas viraram tema de seu mestrado e chegaram aos leitores por meio do livro Homens Invisíveis: Relatos de uma Humilhação Social (Ed. Globo, 2004). Clique na foto da capa para acessar o livro no site Submarino.

A reportagem abaixo, de Plinio Delphino em 2003, foi publicada originalmente pelo jornal Diário de São Paulo e reproduzida pela Revista Consciência.Net dia 23 de abril de 2003. Reproduzimos na íntegra e incluímos, abaixo, considerações sobre a profissão de gari e um banner comemorativo da prefeitura do Rio de Janeiro.

Fazemos este registro em resposta ao jornalista Boris Casoy, do Jornal da Band, que disparou todo o seu preconceito, em rede nacional, contra esta digna categoria de trabalhadores. Conforme nosso registro anterior, Casoy disse em alto e bom som: “Que merda… Dois lixeiros desejando felicidades… do alto de suas vassouras… Dois lixeiros… O mais baixo da escala do trabalho”.

Fernando Braga da Costa conta como, uma vez reconhecida sua origem socioeconômica mais favorável, os garis se preocuparam em protegê-lo e passaram a tratá-lo melhor.

Foto de Fernando Braga da Costa no www.jlcarneiro.comApós oito anos, na data da entrevista, o repórter pergunta a Fernando o que mudou na vida dele. “Acredito que essa experiência me deixou curado da minha doença burguesa. Esses homens hoje são meus amigos. Conheço a família deles, freqüento a casa deles nas periferias. Mudei. Nunca deixo de cumprimentar um trabalhador. Faço questão de o trabalhador saber que eu sei que ele existe. Eles são tratados pior do que um animal doméstico, que sempre é chamado pelo nome. São tratados como se fossem uma coisa.”

Este texto foi enviado para Boris Casoy (bcasoy@band.com.br), Fernando Mitre (fmitre@band.com.br), Joelmir Betingt (jbeting@band.com.br) e o email da redação (jornaldaband@band.com.br).

Reportagem do Diário de São Paulo

“Fingi ser gari por 8 anos e vivi como um ser invisível”

Psicólogo varreu as ruas da USP para concluir sua tese de mestrado da “invisibilidade pública”. Ele comprovou que, em geral, as pessoas enxergam apenas a função social do outro. Quem não está bem posicionado sob esse critério, vira mera sombra social. Plinio Delphino, Diário de São Paulo, 23/04/2003.

Foto de Fernando Braga da Costa (à dir.) na Revista IstoÉ Gente

Foto de Fernando Braga da Costa (à dir.) na Revista IstoÉ Gente

O psicólogo social Fernando Braga da Costa vestiu uniforme e trabalhou oito anos como gari, varrendo ruas da Universidade de São Paulo. Ali, constatou que, ao olhar da maioria, os trabalhadores braçais são “seres invisíveis, sem nome”.

Em sua tese de mestrado, pela USP, conseguiu comprovar a existência da “invisibilidade pública”, ou seja, uma percepção humana totalmente prejudicada e condicionada à divisão social do trabalho, onde enxerga-se somente a função e não a pessoa.

Braga trabalhava apenas meio período como gari, não recebia o salário de R$ 400 como os colegas de vassoura, mas garante que teve a maior lição de sua vida: “Descobri que um simples bom dia, que nunca recebi como gari, pode significar um sopro de vida, um sinal da própria existência”, explica o pesquisador.

O psicólogo sentiu na pele o que é ser tratado como um objeto e não como um ser humano. “Professores que me abraçavam nos corredores da USP passavam por mim, não me reconheciam por causa do uniforme. Às vezes, esbarravam no meu ombro e, sem ao menos pedir desculpas, seguiam me ignorando, como se tivessem encostado em um poste, ou em um orelhão”, diz.

Apesar do castigo do sol forte, do trabalho pesado e das humilhações diárias, segundo o psicólogo, são acolhedores com quem os enxerga. E encontram no silêncio a defesa contra quem os ignora.

Diário – Como é que você teve essa idéia?

Fernando Braga da Costa – Meu orientador desde a graduação, o professor José Moura Gonçalves Filho, sugeriu aos alunos, como uma das provas de avaliação, que a gente se engajasse numa tarefa proletária. Uma forma de atividade profissional que não exigisse qualificação técnica nem acadêmica. Então, basicamente, profissões das classes pobres.

Com que objetivo?

A função do meu mestrado era compreender e analisar a condição de trabalho deles (os garis), e a maneira como eles estão inseridos na cena pública. Ou seja, estudar a condição moral e psicológica a qual eles estão sujeitos dentro da sociedade. Outro nível de investigação, que vai ser priorizado agora no doutorado, é analisar e verificar as barreiras e as aberturas que se operam no encontro do psicólogo social com os garis. Que barreiras são essas, que aberturas são essas, e como se dá a aproximação?

Quando você começou a trabalhar, os garis notaram que se tratava de um estudante fazendo pesquisa?

Eu vesti um uniforme que era todo vermelho, boné, camisa e tal. Chegando lá eu tinha a expectativa de me apresentar como novo funcionário, recém-contratado pela USP pra varrer rua com eles. Mas os garis sacaram logo, entretanto nada me disseram. Existe uma coisa típica dos garis: são pessoas vindas do Nordeste, negros ou mulatos em geral.

Eu sou branquelo, mas isso talvez não seja o diferencial, porque muitos garis ali são brancos também. Você tem uma série de fatores que são ainda mais determinantes, como a maneira de falarmos, o modo de a gente olhar ou de posicionar o nosso corpo, a maneira como gesticulamos. Os garis conseguem definir essa diferenças com algumas frases que são simplesmente formidáveis.

Dê um exemplo?

Nós estávamos varrendo e, em determinado momento, comecei a papear com um dos garis. De repente, ele viu um sujeito de 35 ou 40 anos de idade, subindo a rua a pé, muito bem arrumado com uma pastinha de couro na mão. O sujeito passou pela gente e não nos cumprimentou, o que é comum nessas situações.

O gari, sem se referir claramente ao homem que acabara de passar, virou-se pra mim e começou a falar: “É Fernando, quando o sujeito vem andando você logo sabe se o cabra é do dinheiro ou não. Porque peão anda macio, quase não faz barulho. Já o pessoal da outra classe você só ouve o toc-toc dos passos. E quando a gente está esperando o trem logo percebe também: o peão fica todo encolhidinho olhando pra baixo. Eles não. Ficam com olhar só por cima de toda a peãozada, segurando a pastinha na mão”.

Quanto tempo depois eles falaram sobre essa percepção de que você era diferente?

Isso não precisou nem ser comentado, porque os fatos no primeiro dia de trabalho já deixaram muito claro que eles sabiam que eu não era um gari. Fui tratado de uma forma completamente diferente. Os garis são carregados na caçamba da caminhonete junto com as ferramentas. É como se eles fossem ferramentas também. Eles não deixaram eu viajar na caçamba, quiseram que eu fosse na cabine. Tive de insistir muito para poder viajar com eles na caçamba.

Chegando no lugar de trabalho, continuaram me tratando diferente. As vassouras eram todas muito velhas. A única vassoura nova já estava reservada para mim. Não me deixaram usar a pá e a enxada, porque era um serviço mais pesado. Eles fizeram questão de que eu trabalhasse só com a vassoura e, mesmo assim, num lugar mais limpinho, e isso tudo foi dando a dimensão de que os garis sabiam que eu não tinha a mesma origem socioeconômica deles.

Quer dizer que eles se diminuíram com a sua presença?

Não foi uma questão de se menosprezar, mas sim de me proteger.

Eles testaram você?

No primeiro dia de trabalho paramos pro café. Eles colocaram uma garrafa térmica sobre uma plataforma de concreto. Só que não tinha caneca. Havia um clima estranho no ar, eu era um sujeito vindo de outra classe, varrendo rua com eles. Os garis mal conversavam comigo, alguns se aproximavam para ensinar o serviço.

Um deles foi até o latão de lixo pegou duas latinhas de refrigerante cortou as latinhas pela metade e serviu o café ali, na latinha suja e grudenta. E como a gente estava num grupo grande, esperei que eles se servissem primeiro. Eu nunca apreciei o sabor do café. Mas, intuitivamente, senti que deveria tomá-lo, e claro, não livre de sensações ruins. Afinal, o cara tirou as latinhas de refrigerante de dentro de uma lixeira, que tem sujeira, tem formiga, tem barata, tem de tudo.

No momento em que empunhei a caneca improvisada, parece que todo mundo parou para assistir à cena, como se perguntasse: ‘E aí, o jovem rico vai se sujeitar a beber nessa caneca?’ E eu bebi. Imediatamente a ansiedade parece que evaporou. Eles passaram a conversar comigo, a contar piada, brincar.

O que você sentiu na pele, trabalhando como gari?

Uma vez, um dos garis me convidou pra almoçar no bandejão central. Aí eu entrei no Instituto de Psicologia para pegar dinheiro, passei pelo andar térreo, subi escada, passei pelo segundo andar, passei na biblioteca, desci a escada, passei em frente ao centro acadêmico, passei em frente a lanchonete, tinha muita gente conhecida. Eu fiz todo esse trajeto e ninguém em absoluto me viu.

Eu tive uma sensação muito ruim. O meu corpo tremia como se eu não o dominasse, uma angustia, e a tampa da cabeça era como se ardesse, como se eu tivesse sido sugado. Fui almoçar, não senti o gosto da comida e voltei para o trabalho atordoado.

E depois de oito anos trabalhando como gari? Isso mudou?

Fui me habituando a isso, assim como eles vão se habituando também a situações pouco saudáveis. Então, quando eu via um professor se aproximando – professor meu – até parava de varrer, porque ele ia passar por mim, podia trocar uma idéia, mas o pessoal passava como se tivesse passando por um poste, uma árvore, um orelhão.

E quando você volta para casa, para seu mundo real?

Eu choro. É muito triste, porque, a partir do instante em que você está inserido nessa condição psicossocial, não se esquece jamais. Acredito que essa experiência me deixou curado da minha doença burguesa. Esses homens hoje são meus amigos. Conheço a família deles, freqüento a casa deles nas periferias. Mudei. Nunca deixo de cumprimentar um trabalhador. Faço questão de o trabalhador saber que eu sei que ele existe. Eles são tratados pior do que um animal doméstico, que sempre é chamado pelo nome. São tratados como se fossem uma coisa. //

Homenagem ao Dia do Gari (16 de maio)
Original no Portal São Francisco

No Brasil, os garis são os profissionais da limpeza que recolhem o lixo das residências, indústrias e edifícios comerciais e residenciais, além de varrer ruas, praças e parques. Também capinam a grama, lavam e desinfetam vias públicas.

Em Portugal, eram conhecidos como almeida, em homenagem a um cidadão com Almeida no nome que foi diretor geral da limpeza urbana da capital portuguesa.

O nome gari também é uma homenagem a uma pessoa que se destacou na história da limpeza da cidade do Rio de Janeiro – o francês Aleixo Gary.

EM HOMENAGEM A GARY

O empresário Aleixo Gary assinou contrato em 11 de outubro de 1876 com o Ministério Imperial para organizar o serviço de limpeza da cidade do Rio de Janeiro.

O serviço incluía remoção de lixo das casas e praias e posterior transporte para a Ilha de Sapucaia, onde hoje fica o bairro Caju.

Ele permaneceu no cargo até o vencimento do contrato, em1891. Em seu lugar, entrou o primo Luciano Gary. A empresa foi extinta um ano depois, sendo criada a Superintendência de Limpeza Pública e Particular da Cidade, cujos serviços deixavam a desejar.

Em 1906, a superintendência tinha 1.084 animais, número insuficiente para carregar as 560 toneladas de lixo da cidade. Assim, da tração animal passou-se à tração mecânica, e depois ao uso do caminhão.

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

————————————————————————————————

Os povos da Antigüidade, enquanto eram nômades, não necessitavam de água canalizada, rede de esgoto ou remoção de lixo. Passaram, contudo, a ter problemas com o saneamento básico quando começaram a viver num local fixo.

Embora Roma, em 753 a.C., possuísse serviço de esgoto e a melhor rede de estradas, ainda não contava com serviço de limpeza pública. Era comum os cidadãos romanos deixarem o lixo em qualquer lugar, a exemplo do que infelizmente acontece em algumas de nossas grandes cidades.

Em 1354, a cidade de Londres foi pioneira ao estabelecer que o lixo deveria ser removido da frente das casas uma vez por semana. Mas a população costumava jogar o lixo nos rios. Já em 1407, todos foram instruídos a guardar o lixo dentro de casa até ser levado pelo coletor; essa prática perdurou por séculos.

Por volta de 1500, Paris era conhecida como a cidade mais suja da Europa. Os parisienses continuaram a jogar o lixo nas ruas, embora o governo coibisse esse costume. Foi somente a partir de 1919 que cerca de trezentos veículos começaram a circular na cidade para fazer a coleta. Nessa época, o uso do cesto de lixo foi decretado obrigatório.

No Brasil, a política de saneamento e limpeza pública é exercida pelo governo municipal.

Os lixeiros, que passam de casa em casa recolhendo o lixo, lembram em muito as práticas de antigamente, embora estejam fazendo uso de novas ferramentas de trabalho. Os lixeiros são também chamados de “garis”. A origem desse nome deve-se ao fato de o governo do Rio de Janeiro ter contratado, em 11 de outubro de 1876, um empresário para fazer a limpeza urbana. Naquela época, as ruas da cidade eram imundas, com muitos focos de doenças.

O contratado foi o francês Aleixo Gary, cujo nome se tornou sinônimo dos limpadores de rua. Em 1885, Gary já era também responsável pela limpeza das praias, transportando o lixo para a ilha de Sapucaia. Manteve essa atribuição até 1891, ano em que se afastou de sua empresa de limpeza, entregando-a um parente, Luciano Gary. No ano seguinte, o governo do Rio de Janeiro comprou a falida empresa de Gary, pagando a quantia de 232.238 contos de réis.

Fonte: www.paulinas.org.br

Dia do Gari (Comlurb) - http://comlurb.rio.rj.gov.br/

Share

6 thoughts on “A doença burguesa de Boris Casoy

  1. Matéria altamente positiva e no mesmo nivel em que escrevemos nosso humilde portal. Por isso, repatriamos a matéria, dando-lhe, como legal, todos os créditos. Parabéns pelas colocações e pela inclusão do “Homem Invisível”, novamente visível.
    Aproveito para lhe fazer um convite como já o fiz a outros colaboradores do site Consciencia.Net.
    O portal MHARIO LINCOLN DO BRASIL está aberto para suas futuras colaborações. Mande seus trabalhos para nós e os publicaremos.
    Atenciosamente,
    Mhario Lincoln
    editor-chefe
    Net.Broadcast MLB

  2. sempre admirei está profissão, tão importante como outra. tenho a convicçao de que esses profissionais merecem respeito da mesma forma que respeitamos outros profissionais, alias sao profissionais que gastam sua vida para manter limpas nas nossas sujeiras.seria um grande passo se conseguisemos varrer toda sujeira da nossa propria arrogancia, ignorancia e prepotencia. ningem tem direito de menospresar a profissao do outro, pois vivemos nunha sociedade que dependemos uns dos outros.
    parabenizo Fernando Braga pelo seu trabalho questinador

  3. Não fiz mestrado nenhum !!!!! Apenas sigo o que eu apreciava quando meu pai na época com um poder aquisitivo melhor que a grande maioria, sentava pra almoçar no bote da esquina com os “negos” de uniformes azuis, laranja, branco, sujos e outras cores mais e se fazia despercebido…….cumprimentando todos e chamando pelo nome quando sabia.
    Mais legal ainda quando do nada até mesmo às vezes longe da empresa dele me perguntavam se eu era filho dele e quanto ele era “bacana” ! Manda um abraço pro seu pai !!!! O cara é gente boa !!!
    Às Vezes até me divertia quando ele levava um fornecedor importante de terno impecável para almoçar em lugares assim que o prato executivo era R$3,90 com uma tubaína !!….rsss se esse passava por alguém sem nem sequer olhar para um operário, ou qualquer outro trabalhador , lá ele não passava despercebido !!
    Que mestrado que nada !!!! ISSO é BERÇO !!!! …fico feliz pelo professor que antes tarde do que nunca foi tocado com um pouco de humildade, já que não teve um berço pra seguir de exemplo !!
    E vc já falou Bom dia para o seu porteiro hoje ? O manobrista da garagem ?a ascensorista do elevador do seu trabalho ?Sua faxineira ?E a mulher do pedágio ? Vc falou obrigado mesmo sendo vc que pagou?

  4. Fiquei emocionado ao conhecer esta história. A gente revive épocas, momentos da nossa vida em que também fomos invisíveis, por outras razões. Tomei conhecimento desta história tempos atrás, e agora li a matéria completa. Parabéns. Talvez ainda um dia possamos dizer que temos orgulho de sermos humanos, por não fazermos qualquer diferença de entre as pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>