A cada três dias é registrado o assassinato de uma pessoa trans no mundo

O Projeto de Monitoramento de Assassinatos Trans (Trans Murder Monitoring Project) revela que mais de 200 assassinatos de pessoas trans foram registrados no último ano e meio.

Em abril de 2009, a ONG internacional Transgender Europe (TGEU), em cooperação com a revista poliglota online “Liminalis — A Journal for Sex/Gender Emancipation and Resistance” iniciou um novo projeto, o “Trans Murder Monitoring Project”, que se concentra no registro sistemático de assassinatos de pessoas trans em escala mundial.

O resultado preliminar do primeiro passo desse projeto revelou um total de 204 casos de assassinatos registrados de pessoas trans em todo o mundo no último ano e meio. 121 casos foram registrados em 2008. De janeiro a junho de 2009 já foram registrados 83 casos.

Além disso, o resultado preliminar mostra um aumento no número de registros de assassinatos de pessoas trans ao longo dos últimos anos. Desde o início de 2008, é registrado, em média, um assassinato a cada três dias.

Os casos foram coletados em todas as seis grandes regiões mundiais: América do Norte, América Latina, Europa, África, Ásia e Oceania. A maior parte dos casos veio das Américas.

A maior parte dos registros de 2008 está concentrada no Brasil (59) e EUA (16); nos primeiros seis meses deste ano, a concentração maior está no Brasil (23), Venezuela (20) e Guatemala (10).

Além desses números, o resultado ainda mostra, em 2008, 11 pessoas trans assassinadas na Colômbia, cinco em Honduras e quatro tanto no México quanto na Venezuela. No primeiro semestre de 2009, há registros de seis casos no México, três na Argentina e também na República Dominicana.

No total, 91 casos de assassinato de pessoas trans foram registrados em 11 países da América Latina em 2008 e 73 casos em 11 países latino-americanos no primeiro semestre deste ano, o que corresponde a 75% e 88% do registro mundial de assassinatos de pessoas trans, em 2008 e no primeiro semestre de 2009, respectivamente.

Os resultados também revelam registros de assassinatos em cinco países europeus (Alemanha, Itália, Portugal, Espanha e Turquia) em 2008 e em quatro (Rússia, Sérvia, Espanha e Turquia) no primeiro semestre de 2009.

Na Ásia, os assassinatos de pessoas trans foram registrados no Iraque, Malásia e Singapura em 2008 e na Índia no primeiro semestre de 2009. Na Oceania, os casos foram registrados na Austrália em 2008 e na Nova Zelândia em 2009. No total, são 22 países em 2008 e 17 nos primeiros seis meses de 2009 com registros de assassinatos.

Os resultados preliminares mostram, ainda, alguns detalhes terríveis sobre a natureza desses crimes. Em 2008, seis das pessoas assassinadas eram menores de idade e esse número já chegou a três em 2009. Entre as menores assassinadas, destaca-se Letícia King, de 15 anos, atingida duas vezes na cabeça por tiros disparados por um colega de escola, em frente à sua turma, em Oxnard (EUA).

Das vítimas maiores de idade mortas em 2008, cinco foram encontradas com corpos desmembrados ou com marcas de tortura, duas foram baleadas por policiais aposentados e três foram executadas em delegacias. Neste ano, já são cinco os registros de vítimas que sofreram desmembramento ou tortura.

Os resultados preliminares da pesquisa estão na forma de um artigo com tabelas, mapas e listas de nomes no novo número da revista online Liminaris (www.liminalis.de/project.html) em inglês, espanhol e alemão.

Também há links diretos para os arquivos em PDF no blog Questioning Transphobia, que acabou de publicar o texto original ontem (21/07/2009):

http://questioningtransphobia.wordpress.com/2009/07/21/every-third-day-the-murder-of-a-trans-person-is-reported/