Saída democrática passa necessariamente por Dilma

images-cms-image-000495822Dentro de aproximadamente um mês, os senadores decidirão se matam de vez a democracia brasileira ou se buscam uma saída democrática para a crise atual.

Se a opinião pública puder servir como farol, uma única solução se mostra viável: rejeitar o impeachment, uma vez que a tese das pedaladas fiscais e dos créditos suplementares já foi completamente desmoralizada, desde que a presidente Dilma Rousseff se comprometa a consultar a população, por meio de um referendo, sobre novas eleições e reforma política.

É essa a saída que a população aponta por meio dos levantamentos dos institutos Ipsos e Paraná Pesquisas. De acordo com o Paraná Pesquisas, nada menos que 73,1% dos brasileiros defendem a saída imediata de Michel Temer. No Ipsos, só 16% querem que Temer continue, percentual menor do que os 20% que defendem que Dilma volte e conclua seu mandato.

Como a tese de novas eleições depende da volta de Dilma, ainda que temporária, é esse o compromisso que ela tem assumido com os senadores indecisos – volta, mas, em seguida, consulta a população sobre novas eleições. Nesse período de transição, a própria equipe econômica, capitaneada por Henrique Meirelles, na Fazenda, seria mantida.

Caso os senadores, no entanto, decidam manter Michel Temer no poder, entrarão para a história como coveiros da democracia. Terão afastado uma presidente que não cometeu crime de responsabilidade, numa farsa jurídica já decifrada pela opinião pública do Brasil e do mundo, para manter no poder um interino extremamente impopular. Ou seja: a saída democrática para o Brasil passa, necessariamente, pela volta de Dilma, para que ela, eleita, possa transmitir o cargo um sucessor também eleito.

Fonte: Brasil 247
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/245664/Sa%C3%ADda-democr%C3%A1tica-passa-necessariamente-por-Dilma.htm

Revista diária fundada em 13 de maio de 2000.

Seções: Brasil, Cidadania.