Engajamento comunitário pode ajudar a enfrentar extremismo violento, diz chefe da ONU

No Canadá, Ban Ki-moon visitou um centro que busca prevenir e conhecer as causas do extremismo violento. “A compreensão destes fenômenos não é o mesmo que justificá-las — e nos permite desenvolver respostas eficazes de prevenção”, frisou. “Quando colocarmos os direitos humanos no centro da nossa resposta ao extremismo violento, poderemos ter sucesso na abertura de um futuro mais seguro e mais estável para todos.”

Compreender plenamente aqueles que podem ser suscetíveis a ideologias venenosas — abordando as causas da radicalização e ajudando os indivíduos e as comunidades antes que os problemas aumentem — ajudará a comunidade internacional no desenvolvimento eficaz, digno e base em direitos das respostas ao que é atualmente “uma das mais graves ameaças que o nosso mundo enfrenta”, disse esta semana o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

“Nós temos que entender o que motiva aqueles que nós suspeitamos serem vulneráveis ​​a narrativas que promovam o extremismo violento, bem como aprofundar nosso conhecimento sobre as condições que levam à sua vulnerabilidade”, disse Ban durante sua visita a Montreal, no Canadá. O chefe da ONU deu uma palestra no “Centro de Prevenção da Radicalização que Leva à Violência”, elogiando a iniciativa.

“O foco na prevenção do extremismo violento é muito importante. Esta é uma das mais graves ameaças em nosso mundo hoje, exigindo respostas inovadoras, eficazes e dignas”, disse Ban, reiterando o seu interesse na abordagem do Centro, que segundo ele foca em ajudar os indivíduos e as famílias antes que os problemas se ampliem.

Observando que a prevenção do extremismo violento é uma das novas prioridades para a ONU, o secretário-geral lembrou que ele apresentou um novo Plano de Ação para prevenir o extremismo violento em janeiro deste ano, na Assembleia Geral, que destaca a importância de enfrentar as causas da violência extremismo.

“Temos de quebrar o isolamento entre a paz e a segurança, o desenvolvimento sustentável, direitos humanos e os atores humanitários em todos os níveis — incluindo nas Nações Unidas”, acrescentou.

Ban também pediu o envolvimento de todos os setores da sociedade — líderes religiosos, mulheres, grupos de jovens, artistas e atletas, bem como os meios de comunicação e o setor privado.

“A compreensão destes fenômenos não é o mesmo que justificá-las — e nos permite desenvolver respostas eficazes de prevenção”, frisou Ban Ki-moon. “Quando nos envolvemos diretamente com as comunidades, podemos contribuir muito para abordar as causas subjacentes do extremismo violento que podem levar ao terrorismo.”

O chefe da ONU também notou que as iniciativas locais podem reconstruir a confiança entre os governos e comunidades. “Você pode ajudar a promover os direitos humanos e curar sociedades enfraquecidas”, disse ele durante a palestra no Centro. “Quando colocarmos os direitos humanos no centro da nossa resposta ao extremismo violento, poderemos ter sucesso na abertura de um futuro mais seguro e mais estável para todos.”

“Seus esforços locais estão nos ajudando a forjar uma resposta global que aborde os problemas que enfrentamos de uma maneira participativa, abrangente e fundada em princípios. Estas parcerias fortes vão gerar o sucesso”, concluiu o secretário-geral.

(20-02-2016)

Fonte: Nações Unidas
https://nacoesunidas.org/engajamento-comunitario-pode-ajudar-a-enfrentar-extremismo-violento-diz-chefe-da-onu/

Share

Comentários

comentários