Reflexão do Papa Francisco feita por ocasião do “Angelus”

– No domingo passado, refletimos sobre as tentações de Jesus. Neste segundo domingo da Quaresma, é a Transfiguração de Jesus.

– Fazendo-se acompanhar de três de seus discípulos (Pedro, Tiago e João), Jesus os leva a uma montanha, que na Bíblia aparece como lugar de uma proximidade mais íntima com Deus.

– Sobre aquela montanha, Jesus se mostra transfigurado, luminoso, belíssimo, aos três discípulos. Aí apareceram também Moisés e Elias a conversarem com Jesus.

– O rosto de Jesus apareceu tão resplendente e suas vestes tão cândidas, que Pedro foi tomado de especial admiração, a tal ponto de desejar permanecer ali mesmo, fazer parar aquele momento.

– De repente, ressoa do alto a voz do Pai, que proclama a Jesus como Seu filho amado, dizendo: “Escutem-no!”

– Palavra importante, essa que o Pai disse aos discípulos e também nos diz: “Escutem-no, pois ele é meu filho predileto!”

– Escutem a Jesus! Esta palavra não é o Papa quem diz. É o Pai quem diz a todos nós, a mim, a vocês, a todos, a todos.

– Eis uma ajuda para seguirmos caminhada na estrada da Quaresma: “Escutar a Jesus!”

– É muito importante este convite que o Pai nos faz, a nós que somos discípulos de Jesus: que escutemos a Sua voz e levemos a sério a Sua palavra!

– Para escutar a Jesus, é preciso estar junto dele, segui-Lo, como se fazia pelas estradas que Ele percorria na Palestina. Jesus não tinha uma cátedra ou um púlpito fixo. Mas, era um Mestre itinerante que propunha os ensinamentos do Pai, por caminhos com trajetos nem sempre previsíveis.

– Será que também nós escutamos Jesus, em sua Palavra escrita, ou seja, no Evangelho?

– Pergunto-lhes: vocês lêem o Evangelho, diariamente, algumas passagens? Lêem ou não? Metade, sim; metade, não? Alguns, sim, alguns, não?

– É importante ler o Evangelho! Trazer sempre com a gente no bolso um pequeno livro do Evangelho, e ler uma pequena passagem, em algum momento do dia.

– Sobre este Evangelho da Transfiguração, recolho dois pontos significativos que assim resumo em duas palavras: o ir, o subir a montanha para orar, e o descer à planície para partilhar o Evangelho com tanta gente, com tantos irmãos nossos, necessitados, doentes, pobres, com quem somos chamados a partilhar a Palavra de Deus.

– A Palavra de Deus cresce em nós, quando a proclamamos e a partilhamos. É a vida cristã. É a missão da Igreja, é missão de todos nós.

– Vocês vão fazer assim? No domingo próximo, vocês vão me dizer…